Vale a pena evitar pedágios por meio das estradas vicinais?

Vale a pena evitar pedágios por meio das estradas vicinais?
Compartilhe esse conteúdo:

A malha rodoviária do Brasil é incrivelmente extensa e muito importante para o desenvolvimento socioeconômico do país. A intensa movimentação também envolve elementos que são desafiadores para empresas, como a grande quantidade de pedágios.

Para manter a competitividade no mercado, corporações precisam manter custos enxutos, e as despesas com transporte abocanham boa parte do orçamento de empresas.

Nesse cenário, pode parecer tentador optar por trajetos que fogem as principais rodovias — repletas desses postos de cobrança — e adotam como alternativa as estradas vicinais.

Contudo, como saber se essa é a melhor saída para conter gastos? Continue lendo esse artigo e descubra se vale a pena desviar a rota para evitar pedágios. Acompanhe!

Quais são as condições das estradas vicinais no Brasil?

Apesar da magnitude das principais vias do país, grande parte do escoamento da produção e transporte de cargas dependem de estradas vicinais — não somente pelo fator econômico — já que elas propiciam mais capilaridade e acessibilidade para determinados locais.

Estradas vicinais são municipais e representam um importante elo entre as cidades e, diversas vezes, são o único caminho viável para se chegar às rodovias federais e estaduais. No estado de São Paulo, a João Colombo, que liga os municípios de Pindorama, Catanduva e Ariranha, é uma estrada vicinal muito movimentada.

Outros exemplos dessas estradas são a que corta o município de Itajobi, também em São Paulo, e a Serra da Rocinha, que liga diversas cidades no Rio Grande do Sul.

Todavia, a realidade delas, em sua grande maioria, não condiz com sua relevância. Dirigir por elas significa um enorme transtorno para motoristas, já que pesquisas apontam que muitas estão esburacadas e sem nenhum sinal de manutenção.

Além disso, pesquisas apontam que, infelizmente, 80% das estradas no país não são pavimentadas, o que é um péssimo sinal para o transporte de qualidade.

Por que elas não são a melhor opção?

A condição precária da maior parte das estradas vicinais no Brasil indica que optar por elas para evitar pedágios não é a melhor solução para economizar.

Muito pelo contrário, os riscos que elas oferecem podem inclusive pesar ainda mais no bolso da empresa. Entenda porque adotar essas rotas não é a melhor ideia para o transporte:

1. Risco de acidentes

O maior problema da falta de manutenção nas estradas vicinais é o alto índice de acidentes facilitado pela grande quantidade de buracos e falta de sinalização.

Muitas dessas vias são extremamente sinuosas, estreitas e a vegetação malcuidada toma conta tanto da pista como do acostamento. Em alguns casos, o excesso de rachaduras no caminho colabora para desmoronamentos e formação de crateras.

Nessa situação, acidentes são frequentes. Logo, adotar trajetos que colocam a vida dos motoristas em risco não é uma opção viável.

2. Possibilidade de perdas

Além de submeter à vida dos condutores ao perigo, a integridade das cargas também está comprometida. Muitos acidentes terminam em capotamentos, que ocasionam a perda de mercadorias e geram grandes prejuízos para empresas.

Ademais, ao conduzir por vias muito acidentadas, as caixas e produtos dentro dos caminhões se movimentam em demasia e, assim, os itens podem sofrer amassados, arranhões ou danos irreversíveis. Frutas, legumes e alguns alimentos, por exemplo, estão suscetíveis a estragar por completo.

Logo, mesmo deixando de arcar com custos dos pedágios, um empreendimento corre o risco de ter desperdícios, de não conseguir comercializar toda a sua produção ou sofrer perdas que vão prejudicar sua imagem diante dos clientes.

3. Danos aos caminhões

Uma das maiores despesas logísticas estão relacionadas ao consumo de combustível e manutenção de caminhões. No entanto, dirigir por estradas vicinais para evitar pedágios pode elevar ainda mais esses custos.

A conservação e disponibilidade dos veículos são itens essenciais para as operações de uma empresa. Caminhões ociosos e com defeitos mecânicos prejudicam o fluxo das entregas e acumulam gastos desnecessários.

Estradas em péssimas condições contribuem para a redução da vida útil de um caminhão e provocam complicações como:

  • a nuvem de poeira levantada por conta da terra solta entopem os filtros de ar, o que acaba exigindo trocas mais constantes;
  • terreno acidentado promove desgaste prematuro dos pneus;
  • problemas na suspensão;
  • desgaste e quebra da suspensão ocasionam o desalinhamento do veículo;
  • os impactos das mercadorias dentro do carro podem causar rachaduras e danos a estrutura do baú.

4. Suscetibilidade ao perigo

Estradas vicinais sem cuidado, sinalização e, sobretudo, a fiscalização adequada são regiões onde o motorista está mais suscetível ao perigo de sofrer assaltos, por exemplo.

Casos de roubo e furto de cargas são uma realidade no país e os números só aumentam. A sensação de insegurança é grande, o que leva empresas a investir em tecnologia —  como o rastreamento e monitoramento de veículos — e boas práticas a fim de se preservar desse risco e impedir que prejuízos e problemas aconteçam.

Uma orientação comum dada aos motoristas é a de evitar vias com luminosidade precária e baixo efetivo policial, fatores que refletem a realidade da maior parte das estradas vicinais que não recebem atenção devida do governo. Portanto, trafegar por essas rotas pode representar uma ameaça mais acentuada do que o usual, já que esses aspectos favorecem a ação de criminosos.

5. Atrasos nas entregas

Em rodovias asfaltadas, a velocidade máxima permitida é de 110 km/h, de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Em estradas vicinais não pavimentadas, esse número cai para 60 km/h. Além disso, a necessidade de desviar de buracos e contornar outros obstáculos tornam o trajeto ainda mais lento.

Otimizar rotas é fundamental para conseguir fazer entregas mais rápidas. Cada vez mais, empresas são pressionadas a fazer remessas ágeis e eficientes, o que as leva a apostar em métodos e tecnologias capazes de encurtar distâncias. Um exemplo disso são os softwares de roteirização.

Adotar rotas por meio de estradas vicinais, mesmo que mais curtas, pode acometer a competitividade da empresa e motivar atrasos nas entregas, causa de aborrecimento para os clientes.

Como você pode perceber, evitar pedágios por meio das estradas vicinais possivelmente não é a melhor manobra para o seu negócio. Uma empresa pode economizar no pagamento dessas taxas, porém sofrer com outros transtornos que afetam sua frota e sua equipe de condutores.

Acesse nosso site, descubra nossas soluções personalizadas e como a gente pode te ajudar!


 

Existimos para libertar a logística através da tecnologia, resolvendo questões reais e humanas. Somos uma startup que através de IoT conecta carros à internet, combinando excelência em engenharia e ciência de dados.

www.cobli.co

euquero@cobli.co || (11) 4810-2200

Este conteúdo foi útil?
Conte para nós se o conteúdo foi útil. Assim, podemos torná-lo cada vez melhor para você!
Sim1
Não0

Leia também:


Compartilhe esse conteúdo:

2 thoughts on “Vale a pena evitar pedágios por meio das estradas vicinais?

  • joão pedro

    Quanta informação de qualidade nesse site. Obrigado por compartilhar. Sucesso

    Responder
    • Roberta Caprile

      Olá, João Pedro! Ficamos felizes que vocês gostou. Continue nos acompanhando 🙂

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *