Gestão de Frotas: Riscos de instalar um bloqueador

Gestão de Frotas: Riscos de instalar um bloqueador

Os riscos envolvidos em ter um bloqueador no veículo

Os bloqueadores geralmente são instalados nos veículos com o objetivo de protegê-los contra roubos e furtos. Porém, o que muita gente não sabe é que este “equipamento de segurança”, na verdade, pode causar acidentes gravíssimos, prejudicar o funcionamento da direção, freios e diversas peças do veículo, e ainda fazer você perder a garantia do seu automóvel.

Um fator que vem gerando muita discussão é a questão do bloqueador desativar ou não os carros em movimento. Os fabricantes afirmam que esse sistema só é projetado para impedir que um carro seja “reiniciado”. Mas, aqui na Cobli é cada vez mais comum aparecerem clientes contando sobre as vezes em que este item deu problema, inclusive com o carro em movimento, e os colocou em situação de risco. Alguns casos já foram parar até na mídia.

Um dos episódios que tivemos conhecimento foi o da estudante, Julia Vieira. Ela colocou um bloqueador no carro como meio de protegê-lo contra roubos, assim como muitas pessoas fazem. Porém, no começo de 2015, quando ela dirigia pela Rodovia Raposo Tavares, sentiu que o acelerador do carro não estava mais funcionando. O que aconteceu na verdade, foi que o bloqueador quebrou e cortou a injeção eletrônica do carro. A estudante, que voltava da faculdade para casa, teve de empurrar o veículo até o acostamento, em uma das rodovias mais perigosas do Brasil, no meio da noite, e esperar pela seguradora.

Ocorrências desse tipo são cada vez mais comuns no Brasil e também no Mundo. O jornal The New York Times apresentou um caso muito parecido com o da estudante Julia Vieira. Em 2012, T. Candice Smith estava com um amigo dirigindo por uma estrada de três pistas de Las Vegas, quando sentiu que o volante começou a “travar”. O motor do carro parou e, assim como a estudante de São Paulo, eles tiveram de empurrar o carro para o canto da estrada para evitar acidentes. Smith disse ao jornal estadunidense que o desligamento do carro não era devido a uma falha mecânica e sim, devido ao bloqueador colocado em seu carro.

Segundo o The New York Times, a história de Smith é semelhante à de muitas pessoas que tiveram bloqueadores colocados em seus carros, o que vem fazendo com que autoridades comecem a repensar sobre o uso dos dispositivos. Em janeiro deste ano, o jornal Automotive News noticiou que a justiça de Nova Jersey aprovou um projeto de lei que impõe algumas restrições sobre o uso desses dispositivos.

Um terceiro episódio que tivemos conhecimento, foi de uma empresa de manutenção que fica em São Paulo. Toda a frota da empresa possuía o dispositivo de bloqueio. Nesse caso específico, o item deu problema quando o carro estava parado, porém, no interior da Bahia. Conclusão: por estar a mais de 200 km da capital, o prazo para o reparo foi de sete dias. Ou seja, sete dias parado com o carro “quebrado” e depois mais um dia parado para retirar o bloqueador do veículo.

Prejuízo Mecânico

Além do grande risco de acidentes, existem também os prejuízos mecânicos. Para entender o porque esse equipamento é tão ruim para o seu veículo, é necessário primeiro entender de que forma ele “trabalha”. Os bloqueadores funcionam de duas maneiras: pelo bloqueio da ignição (faísca) ou ao cortar o envio de combustível para o motor. De um jeito ou de outro, no entanto, a segurança do motorista fica seriamente comprometida.

Acontece que no bloqueio da ignição, o carro continua em movimento; porém, com o motor parado e sem estar engrenado, como se estivesse em ponto morto. O carro “se comporta” como se estivesse desligado. Ou seja, a direção assistida (hidráulica ou elétrica) perde a assistência, ficando praticamente rígida e o freio também fica duro, pois o vácuo do motor que ajuda o motorista a frear, desaparece. Outros tipos de bloqueadores que não inibem a combustão pela faísca da vela de ignição, cortam a injeção de combustível, gerando as mesmas consequências e dificultando a dirigibilidade.

“Se o motorista estiver em uma curva, por exemplo, o risco de acidentes é enorme”, afirma o coordenador técnico do Centro de Experimentação e Segurança Viária, Gerson Burin.

Os sistemas de freios e câmbio também podem ser diretamente afetados se o motorista não desacoplar a marcha assim que o motor for “morto” pelo corte da ignição. Isso porque o responsável por mover todas as engrenagens e outros elementos mecânicos da caixa de câmbio é o motor, uma vez que ele fica inativo, essa tarefa ficará por conta da inércia do veículo e da rotação das rodas, o que pode causar sérios danos a qualquer peça entre as rodas e o motor. Polias e subsistemas que dependem do motor também são afetados e podem ter sua vida útil reduzida.

Aqui no Brasil, os bloqueadores são usados exclusivamente por motoristas ou empresas que querem proteger seus carros de roubos e furtos. Mas, o CESVI BRASIL, único centro de pesquisa do País dedicado ao estudo da reparação automotiva que atua no campo da segurança viária, desenvolvendo estudos e campanhas, indica que motoristas e empresas que queiram ter algum sistema em prol da segurança do automóvel, optem por rastreadores.

Bloqueadores não permitem que o motorista saiba onde o carro está em caso de roubo ou furto. Já um sistema de rastreamento pode identificar via satélite a localização do automóvel e não compromete a segurança durante a direção.

Outra dica do CESVI é a de que os motoristas e gestores de frotas instalem somente produtos confiáveis e com especialistas. Equipamentos clandestinos podem prejudicar a parte elétrica do carro.

Acesse nosso site, descubra nossas soluções personalizadas e como a gente pode te ajudar!

Fontes: CESVI BRASIL, The New York Times, Automotive News, Mother Jones, Daily Mail.


 

logo cobli icone 20 - Gestão de Frotas: Riscos de instalar um bloqueador

Existimos para libertar a logística através da tecnologia, resolvendo questões reais e humanas. Somos uma startup que através de IoT conecta carros à internet, combinando excelência em engenharia e ciência de dados.

cobli.co

euquero@cobli.co || (11) 4810-2200

Você já classificou este conteúdo.
Compartilhe esse conteúdo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *