Entenda o papel da qualidade do combustível na frota

Entenda o papel da qualidade do combustível na frota
Compartilhe esse conteúdo:

O constante aumento no preço do óleo diesel, do etanol e da gasolina faz com que diversos motoristas e gestores de frotas busquem pela opção mais em conta. O problema é que o barato nem sempre é confiável, pois existem postos que adulteram seus produtos, diminuindo a qualidade do combustível.

Para evitar gastos altíssimos com a manutenção de frota por conta de problemas causados por combustíveis adulterados, é preciso tomar certas precauções na hora de abastecer os veículos.

Se você tem um sistema de gestão de frota e é responsável pelo controle de combustível, veja, a seguir, algumas dicas sobre como verificar a qualidade e a procedência dos produtos oferecidos nos postos de abastecimento!

Por que é importante verificar a qualidade do combustível?

Funcionamento do motor

Para responder a essa pergunta você deve entender como o motor do automóvel funciona. Em palavras simples, ele é o responsável por transformar o óleo diesel, a gasolina ou o etanol em energia suficiente para conseguir movimentar o veículo.

Isso acontece por meio de um sistema de combustão, que ocorre dentro dos cilindros do motor. A queima do combustível gera uma explosão, que movimenta os pistões existentes dentro desses cilindros.

Os pistões, por sua vez, giram um eixo chamado virabrequim, produzindo a energia mecânica que é levada até o sistema de transmissão. Este último é o responsável por distribuir tal energia para as rodas do veículo, colocando-o em movimento.

Mas é claro que ainda existem diversos outros elementos que fazem esse sistema funcionar. Alguns exemplos são:

  • óleo — lubrifica as peças do motor;
  • radiador — impede o superaquecimento;
  • bateria — gera a corrente elétrica necessária para iniciar a queima;
  • filtros etc.

A qualidade do combustível está diretamente ligada à sua capacidade de queima. Como a gasolina, por exemplo, é mais eficaz do que o etanol, o sistema de injeção envia uma quantidade menor para a câmara de combustão e, por isso, ela rende mais. Daí vem a importância de saber qual é o combustível mais indicado para cada veículo.

Efeitos de um combustível adulterado

Voltando à importância de verificar a qualidade do produto, pense no seguinte: uma gasolina adulterada é composta por diversos solventes que não conseguem ser queimados devidamente. Isso gera um acúmulo de resquícios nos cilindros do motor, atrapalhando seu funcionamento.

Além de o consumo do veículo aumentar drasticamente por conta da péssima capacidade de queima, os resíduos podem causar danos aos componentes de vedação, entupir as bombas de combustível e, em casos extremos, levar até a fusão do motor.

Dessa forma, ao abastecer em postos suspeitos, existe um grande risco de que a má qualidade do combustível danifique o automóvel de forma irreparável. As despesas com essa situação sairão muito mais caras do que o valor de um tanque cheio de gasolina, etanol ou diesel de qualidade.

Se você é o responsável por fazer o controle de frota em sua empresa, deve alertar todos os motoristas para que abasteçam apenas em postos de sua confiança. Essa é a melhor forma de economizar com a manutenção dos veículos.

Como fazer isso?

Agora que você entende por que o controle de combustível é importante na gestão de frota, é preciso descobrir como medir a qualidade desse produto na hora de abastecer. Para tanto, listamos algumas dicas:

Sempre desconfie

A lei do petróleo não prevê nenhum tabelamento de valor mínimo ou máximo para a venda de combustível. Dessa forma, é normal que haja variações de um posto para outro. Porém, se o preço da gasolina, do etanol ou do diesel estiver muito abaixo do normal em um determinado posto, suspeite imediatamente de sua qualidade.

Verifique a origem do combustível

Os postos de abastecimento são obrigados a informar quem é a empresa fornecedora do combustível. Caso você perceba que a procedência é duvidosa, evite abastecer no local.

Os estabelecimentos sem distribuidora exclusiva (conhecidos como “bandeira branca”) também precisam informar, ao lado de cada bomba, qual é a companhia responsável pela distribuição.

Peça a nota fiscal

Qualquer estabelecimento comercial é obrigado a emitir nota fiscal, pois essa é a prova de que você comprou algo ali. Porém, muitos não o fazem sem que o cliente peça (e isso é bastante comum entre os postos de combustível).

Pedir a nota fiscal é uma forma de verificar se o local está funcionando em regularidade com a lei. Caso o frentista se recuse a fornecer esse documento, desconfie de que há algo errado. Acione as autoridades competentes para investigar o posto e evite voltar a abastecer nele.

Fique atento às informações

O preço disposto nos painéis e nas faixas dos postos de combustível deve ser o mesmo que aparece nas bombas. Caso haja alguma divergência, o estabelecimento provavelmente está atuando de má-fé, o que indica que não é um lugar confiável para abastecer.

É obrigatório, também, que as bombas indiquem se o combustível é aditivado ou não. Qualquer falta de informação deve levantar suspeitas imediatamente.

Peça o teste de vazão

Caso você suspeite de que a quantidade de combustível anunciada pela bomba é diferente daquela que realmente está sendo despejada, é possível pedir o teste de vazão.

O posto é obrigado a utilizar uma medida padrão de 20 litros — aferida e devidamente lacrada pelo Inmetro — para comprovar que a quantidade do visor coincide com a do recipiente. A diferença máxima deve ser de 100 ml para mais ou para menos.

Peça o teste da proveta

No caso da gasolina, a lei permite que haja uma quantidade máxima de 27% de etanol misturada ao combustível. Para provar que o posto não está ultrapassando esse limite, o teste da proveta deve ser feito sempre que o cliente pedir.

Verifique o etanol hidratado

As bombas de etanol devem estar sempre equipadas com o termodensímetro, um aparelho capaz de indicar o teor alcoólico do combustível. É preciso que o valor fique entre 92,5% e 95,4% (ou 95,5% e 97,7%, no caso do etanol premium).

É importante, ainda, observar se o etanol está límpido. A coloração alaranjada ou a presença de impurezas podem indicar a má qualidade do combustível.

Tenha um fornecedor de segurança

O ideal para evitar dores de cabeça com combustíveis de péssima qualidade é abastecer sempre no mesmo local (que tenha garantia de segurança). Por isso, ao verificar que um estabelecimento cumpre todas as exigências mencionadas nos tópicos anteriores, adicione-o à sua lista de confiança e evite abastecer em outros postos.

Acione a ANP em casos suspeitos

Agência Nacional de Petróleo (ANP) é a responsável por fazer a fiscalização e o controle de combustível nos postos de abastecimento. Portanto, caso você perceba alguma irregularidade, acione-a imediatamente, fornecendo todos os dados do estabelecimento suspeito.

A qualidade do combustível afeta diretamente a gestão de frota, pois o uso constante de um produto adulterado pode gerar enormes prejuízos aos veículos. Se você não quer ter dores de cabeça com a manutenção de frota, coloque essas dicas em prática imediatamente!

Acesse nosso site, descubra nossas soluções personalizadas e como a gente pode te ajudar!


 

Existimos para libertar a logística através da tecnologia, resolvendo questões reais e humanas. Somos uma startup que através de IoT conecta carros à internet, combinando excelência em engenharia e ciência de dados.

www.cobli.co

euquero@cobli.co || (11) 4810-2200

Você já classificou este conteúdo.

Leia também:


Compartilhe esse conteúdo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *