Entenda como dimensionar uma frota leve

Entenda como dimensionar uma frota leve
Compartilhe esse conteúdo:

O transporte certamente representa um dos custos mais elevados na logística de uma empresa. Por esse motivo, é necessário saber dimensionar corretamente a frota para que a instituição não tenha que arcar com gastos desnecessários, que causem ônus às finanças e reduzam seu potencial competitivo.

Não importa se o transporte é constituído por caminhões (frota pesada) ou por automóveis (frota leve) — é fundamental realizar o dimensionamento adequado em qualquer circunstância.

Para aprender como dimensionar uma frota leve, continue a leitura deste artigo.

A importância de dimensionar uma frota leve

O dimensionamento da frota leve consiste no processo de otimizar e planejar as atividades vinculadas ao transporte com a finalidade de melhorar a produtividade.

Para o correto dimensionamento da frota leve, devem ser consideradas questões sobre o deslocamento da carga, a quantidade de entregas a serem feitas, o número de motoristas, as distâncias que serão percorridas, o peso dos veículos, o tipo de carga que será transportada, e assim por diante.

Muitos são os benefícios dessa iniciativa, como:

  • o planejamento criterioso da frota específica para cada serviço;
  • mais eficiência para a operação e para a logística corporativa;
  • redução de riscos e acidentes;
  • maior precisão em calcular a quantidade de veículos e de viagens;
  • maior precisão em calcular a quantidade de viagens;
  • mais agilidade e segurança no transporte das mercadorias;
  • redução de despesas.

Os custos envolvidos

Outro ponto importante a ser considerado é o total de gastos que a frota leve possui. Além do preço do produto ou serviço, é importante levar em conta se o carro é econômico, avaliando o PBE do Inmetro — a maioria dos novos veículos já vem com essa classificação.

O PBE (Programa Brasileiro de Etiquetagem) é coordenado pelo Inmetro e fornece informações sobre a natureza dos produtos, levando em conta critérios como eficiência energética, níveis de ruído, consumo de combustível e outros fatores relevantes que podem influir na decisão final do consumidor.

A etiqueta do Inmetro em um carro é sinal de que ele consome menos combustível, o que é vantajoso para a gestão financeira de uma frota leve. Também pode indicar que ele é menos poluente, ou seja, não emite tantos gases nocivos ao meio ambiente.

Outro ponto a avaliar no que se refere aos custos é a manutenção. Boa parte das fabricantes de automóveis já exibe o custo de manutenções preventivas de cada modelo.

Além disso, convém:

  • pesquisar o valor do seguro;
  • levar em conta também os custos IPVA, despachante, DPVAT e taxa de licenciamento;
  • considerar ainda a possibilidade de locar os veículos, depois de comparar com os custos acima.

A forma de alocação dos veículos

Para dimensionar de forma adequada a sua frota leve, também é preciso avaliar de que maneira os carros serão alocados. A alocação pode ser feita individualmente a um funcionário, que terá uso exclusivo sobre um determinado automóvel.

Outra forma de alocar os veículos é por meio do uso partilhado ou pool. Nessa iniciativa, o mesmo carro é utilizado por diferentes funcionários, sendo necessário administrar a requisição dos automóveis que compõem a frota leve.

Tanto a alocação direta quanto a indireta apresentam prós e contras. O importante é que o gestor de frota encontre a melhor opção para dar agilidade no trabalho dos funcionários e a redução de custos empresariais.

O roteirizador

Usar um roteirizador eficiente é outra forma de fazer um dimensionamento correto da frota leve, evitando a necessidade de adquirir carros a mais.

Com um sistema de roteirização eficiente, o gestor não perde tempo planejando, economiza dinheiro e otimiza seu tempo. O sistema entrega, em questão de segundos, a melhor rota para cada funcionário e/ou entrega, permitindo ainda escolher os objetivos para traçar as melhores rotas, como:

  • redução de distâncias: realiza todos os serviços percorrendo a menor quilometragem;
  • conclusão mais rápida do serviço: opera todos os serviços em menor tempo, liberando o funcionário até antes do que estava previsto;
  • otimização da quantidade de veículos: efetua todos os serviços com a menor quantidade possível de automóveis.

Outra vantagem do sistema de roteirização é que ele permite criar rotas considerando as diferentes restrições de horários da empresa, dos funcionários e dos clientes.

É possível também identificar quais os veículos que estão mais perto de uma dada localização, sempre avaliando o trânsito do momento. Sabendo qual veículo chegará em primeiro lugar, o gestor da frota leve pode melhorar bastante os serviços prestados.

Além disso, o roteirizador permite visualizar quaisquer desvios na rota e compreender o motivo pelo qual eles ocorreram. Assim, pode-se entender melhor os custos relacionados a esses desvios e assegurar que a operação seja mais eficiente.

O algoritmo do sistema ainda possibilita roteirizar centenas de endereços, o que contribui para a empresa ter retornos maiores com a frota leve, mesmo levando em conta as rotas mais complexas. O sistema tem capacidade para importar todos os endereços de uma única vez!

roteirização da Cobli

O cálculo do tamanho da frota leve

Para determinar a quantidade ideal de carros, no caso de alocação direta aos funcionários, pode-se aplicar um cálculo bastante simples: faça a contagem dos funcionários e calcule também a quantidade média de entregas. A quantidade média de entregas deve ser definida a partir da demanda, sempre considerando os períodos de sazonalidade.

Em certas épocas ou horários, pode haver maior demanda, que exigem mais deslocamentos de veículos. Em outros momentos, porém, a demanda pode cair bastante, resultando em carros inativos dentro da empresa.

Estudando e planejando as rotas, o gestor de frota leve pode otimizar o controle sobre o uso dos veículos, sem a necessidade de recorrer a carros-reserva ou ficar sem veículo disponível para fazer as entregas.

E com o roteirizador, ele poderá encurtar o trajeto, analisando as condições de tráfego, o nível de acessibilidade de cada ponto de destino, os tipos de percursos, os atalhos e outros pontos importantes.

Para dimensionar adequadamente uma frota leve, convém, portanto, avaliar:

  • o número de funcionários;
  • a quantidade média de entregas;
  • o total de viagens que um veículo pode fazer;
  • as rotas mais apropriadas a fim de encurtar distâncias, acelerar as entregas e diminuir a necessidade de uma frota muito numerosa.

Então, entendeu como se faz para dimensionar sua frota leve da melhor maneira? Se você quer receber outras dicas valiosas sobre o assunto, assine nossa newsletter!


Logo Cobli

Cobli é uma empresa especializada em gestão de frotas que oferece um sistema capaz de fazer o rastreamento dos veículos, planejar rotas otimizadas, acompanhar o modo de condução dos motoristas e fazer a gerenciamento de combustível. Com mais de um bilhão de quilômetros monitorados e presente em todos os estados brasileiros, a Cobli consegue gerar uma economia média de 300 reais por mês, por carro, além de ajudar o gestor de frotas a tomar as melhores decisões.
Conheça a Cobli e saiba mais sobre como nossos nerds podem te ajudar!

www.cobli.co
euquero@cobli.co
(11) 4508-0142

Leia também:


Compartilhe esse conteúdo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *